autora do blog

autora  do blog
Utilidade publica

Sobre o blog

FALANDO UM POUCO DE TUDO.
DOS SONHOS, A REALIDADES, COM GRAÇA.
+ ATUALIDADES
MODA.
SAÚDE
CURIOSIDADES
NOTICIAS ATUAIS
UTILIDADE PULICA

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Megacidades, e não países, viram novos núcleos da economia

São Paulo
As cidades são o modo de organização social mais estável e duradouro da humanidade e sobreviveram aos impérios e nações que os presidiram. Atualmente, elas se tornaram os núcleos demográficos e econômicos dominantes.
Como o sociólogo Christopher Chase-Dunn apontou, não é a população ou o tamanho do território que garante o status de cidade global, mas seu peso econômico, sua proximidade de zonas de crescimento, estabilidade política e atratividade para o capital estrangeiro.
Em outras palavras, conectividade importa mais do que tamanho. As cidades portanto merecem um tratamento mais nuançado em nossos mapas do que simplesmente como pontos pretos homogêneos.
Não surpreende que seja nestas zonas que você acha os pontilhados ovais que representam as megacidades em expansão, cada uma representando uma alta porcentagem do PIB nacional (indicado pelos círculos maiores), além do seu papel como centro global.
Dentro de vários mercados emergentes como Brasil, Turquia, Rússia e Indonésia, o principal centro comercial e financeiro responde por pelo menos um terço ou mais do PIB nacional.
No Reino Unido, Londres responde por quase metade do PIB britânico. Nos Estados Unidos, o corredor Boston-Nova York-Washington e a grande Los Angeles, combinados, tem cerca de um terço do PIB do país.
Até 2025, haverá pelo menos 40 megacidades assim. A população da Grande Cidade do México é maior do que a da Austrália, assim como a de Chongqing, uma série de enclaves urbanos conectados na China que se expandem por uma área do tamanho da Áustria.
Cidades que já foram separadas por centenas de quilômetros hoje estão efetivamente fundidas em enormes arquipélagos urbanos, o maior dos quais é o Cinto de Taiheiyo no Japão, que reúne dois terços da população japonesa na megalópole Tokyo-Nagoya-Osaka.
O delta do Rio das Pérolas na China, a Grande São Paulo e Mumbai-Pune também estão ficando mais integrados através da infraestrutura.
Já surgiram pelo menos uma dúzia de corredores de megacidades do tipo. A China está no processo de se reorganizar em torno de duas dúzias de agrupamentos com até 100 milhões de habitantes cada.