autora do blog

autora  do blog
Utilidade publica

Sobre o blog

FALANDO UM POUCO DE TUDO.
DOS SONHOS, A REALIDADES, COM GRAÇA.
+ ATUALIDADES
MODA.
SAÚDE
CURIOSIDADES
NOTICIAS ATUAIS
UTILIDADE PULICA

sábado, 12 de março de 2016

Ser solteiro pode encurtar a vida...

.tanto quanto fumar

 Ser solteiro ou solteira aos 30 anos, como no filme O Diário de Bridget Jones, pode reduzir a vida tanto quanto fumar, afirma um estudo publicado recentemente no Reino Unido.  A investigação, liderada pelo professor Andrew Oswald, da Universidade de Warwick, Inglaterra, indica que os solteiros tendem a ter um estilo de vida pouco saudável, que acaba por diminuir a esperança de vida. Como a personagem de Bridget Jones, interpretada pela actriz Renée Zellweger, as pessoas que não se casam bebem mais álcool porque saem mais com os amigos, comem muito e trabalham mais por falta de um companheiro. «O casamento mantém a pessoa viva e o efeito é consideravelmente grande», explicou o professor Oswald ao jornal britânico «The Independente on Sunday», ao destacar que os riscos de ser um solteiro podem ser «semelhantes aos de um fumador». O estudo baseou-se no acompanhamento de aproximadamente 10 mil adultos, com mais de 40 anos, durante a última década das suas vidas no Reino Unido. Dessas pessoas, 600 morreram durante o período da pesquisa. A partir daí, a equipa liderada por Oswall comparou os diferentes índices de mortalidade dos homens e mulheres que eram casados, solteiros, divorciados ou viúvos. Os especialistas descobriram que, no início do estudo, os homens que nunca tinham casado, os separados e os divorciados tinham mais 10 por cento de probabilidades em morrer nos oito anos seguintes. Sobre as mulheres solteiras, separadas ou divorciadas, os cientistas chegaram à conclusão que elas também tinham mais 4,8 por cento de probabilidades de morrer que as casadas, contra os cinco por cento atribuídos normalmente aos fumadores. Sobre o estudo, Virginia Ironside, responsável pela secção sentimental do Independente, disse que «a infelicidade é o que faz as pessoas morrerem prematuramente». Em declarações ao mesmo jornal, Gaynor Critchley, modelo londrina de 32 anos que viaja muito por motivos profissionais e diz não ter tempo para um namorado, disse que se encontrasse um amor, levaria um estilo de vida mais tranquilo. No entanto, destacou a modelo, antes viver «só do que mal acompanhada».